Proposta para vencer o analfabetismo financeiro | Pesquisadores debatem educação monetária para participantes de fundos de pensão

Educação financeira não é para todos. Essa é a melhor maneira de resumir a reação de grupos patrocinadores de planos a uma proposta que visa abordar a questão do analfabetismo financeiro entre os participantes dos planos de aposentadoria.
“Eu sempre gostei da ideia das pessoas saberem mais sobre finanças, mas a questão é como você faz isso?”, indaga Diann Howland, vice-presidente de assuntos legislativos do American Benefits Council, em Washington.
A proposta – escrita por pesquisadores da Faculdade de Direito da Universidade da Pensilvânia e da Universidade George Washington e publicada no site acadêmico da SSRN em maio – recomenda que os empregadores que patrocinam planos de aposentadoria sejam obrigados a oferecer educação financeira a seus funcionários. Nela, os autores estimulam o Departamento do Trabalho a desempenhar um papel central, determinando programas de educação financeira no local de trabalho e emitindo um conjunto de requisitos mínimos do programa.
A proposta não pretende ser apenas mais um “exercício acadêmico”, disse a coautora da proposta, Annamaria Lusardi, que é presidente do Departamento de Economia e Contabilidade da George Washington University School of Business. “Queremos garantir que seja realmente implementado na prática”, afirmou.
O documento, de 54 páginas, descreve os desafios enfrentados pelos indivíduos, que identifica como investidores apenas no local de trabalho, aqueles cuja única experiência em investir é através dos planos de aposentadoria fornecidos por seu empregador. Usando dados do Estudo Nacional de Capacidade Financeira de 2015, os autores descobriram que os investidores apenas no local de trabalho têm níveis surpreendentemente baixos de conhecimento financeiro, muito mais baixos do que os investidores com experiência em tomar decisões de investimento fora de seus planos de aposentadoria. Apenas 26% dos participantes de fundos de pensão, por exemplo, sabiam sobre rentabilidade de títulos públicos em comparação com 41% dos investidores ativos, segundo o estudo.
Os pesquisadores também descobriram que não é insignificante a porcentagem de investidores relacionados aos locais de trabalho. Dos 8.784 investidores pesquisados, 28% eram apenas para os locais de trabalho. “Hoje, o nível de alfabetização financeira é baixo demais para enfrentar todas as decisões financeiras complexas que todos enfrentamos. E, nas finanças, a ignorância não é uma felicidade”, disse Lusardi.

Os programas variam – Embora os autores reconheçam que muitos empregadores já oferecem alguma forma de educação financeira, eles afirmam que esses programas variam substancialmente.
“Existe uma mistura real do que os empregadores fazem. Isso significa que vários empregadores oferecem programas abaixo do padrão ou não oferecem educação financeira”, disse a co-autora Jill E. Fisch, professora de Direito Comercial e co-diretora da o Instituto de Direito e Economia da Faculdade de Direito da Universidade da Pensilvânia, na Filadélfia.

Andrew Lehner, diretor de serviços de RH da fabricante global de componentes eletrônicos Plexus Corp., disse que apesar de não apoiar uma legislação que “impõe requisitos específicos aos empregadores que oferecem planos de contribuição definida”, acredita que um mandato pode inspirar empresas a mudar sua abordagem para educar os funcionários.
“Concordo que os investidores apenas no local de trabalho são muito diferentes dos investidores comuns e exigem conteúdo mais focado”, disse Lehner. A empresa oferece sessões individuais de aconselhamento financeiro a seus funcionários nos EUA uma vez por ano, e disponibiliza consultores ao longo do ano por vídeo ou teleconferência.
Os críticos da proposta, no entanto, argumentam que o analfabetismo financeiro não se limita apenas aos investidores no local de trabalho. Jack Towarnicky, diretor executivo do Plan Sponsor Council of America, com sede em Columbus, Ohio, criticou a proposta de adotar uma “abordagem de espingarda”, voltada para um objetivo, onde o necessário é algo que vai além dos planos patrocinados pelos empregadores. “A necessidade de educação financeira é uma questão muito maior do que apenas esse pequeno grupo de pessoas”, disse Towarnicky.

Chad Elliott, vice-presidente sênior de estratégia e insights de clientes da Fidelity Investments em Boston, concorda. Tanto os clientes no local de trabalho quanto os que não pertencem ao local de trabalho, como aqueles que detém contas individuais de aposentadoria ou corretagem, têm baixos níveis de alfabetização financeira, disse Elliott: “Não é algo específico do local de trabalho”.

Os autores responderam que também apóiam a educação financeira obrigatória fora do local de trabalho. Eles observam sua proposta complementando – e não substituindo – os pedidos de cursos obrigatórios de alfabetização financeira em escolas e universidades. “Precisamos pensar também nos funcionários que estão fora da escola e na faculdade, e não apenas nos trabalhadores jovens ou futuros”, disse Lusardi.

Uso de funcionários – Outros céticos observaram que o problema não é o acesso à educação financeira, mas sim fazer com que os funcionários usem os programas existentes.

Os programas de educação, afirmam, estão amplamente disponíveis dentro e fora do local de trabalho, mas a aceitação desses programas é modesta.
“Existem populações que não têm vontade, habilidade ou interesse no tópico e são menos propensas a tirar proveito desses tipos de programas quando oferecidos”, disse Elliott.
Elliott observou que quase todos os patrocinadores de planos com os quais a Fidelity trabalha oferecem aos funcionários oficinas on-line e no local sobre tópicos financeiros, além de ferramentas digitais e acesso gratuito a consultores financeiros licenciados aos participantes. No entanto, o uso dos serviços de educação financeira não é o que a Fidelity ou seus clientes gostariam que fosse. Menos da metade dos funcionários se engaja em alguma forma de educação financeira anualmente, participação que cai para até 30% quando se considera o universo dos investidores apenas no local de trabalho.
“Não acho que exigir que todos tenham acesso a um programa educacional realmente resolva alguns dos pontos negativos que estão apontando para essa população”, disse o executivo.

Outros também sustentam essa visão. “Entendo que eles acham que a educação é uma solução, mas eu gostaria de ver onde isso foi feito, onde foi bem-sucedido e como foi esse processo”, disse Towarnicky.

Muitos céticos também apontaram que já existem remédios para a população vulnerável identificada no artigo. A inscrição automática, a escalação automática e outros recursos de design dos planos previdenciários, como alternativas qualificadas de investimento padrão, estão ajudando os participantes com menos conhecimento financeiro de maneiras que os programas educacionais não foram capazes de fazer.

“A maneira mais suave de levar as pessoas a economizar, às vezes, são esses mecanismos padrão”, disse Howland, do ABC. Os recursos de design automático “se tornaram ferramentas muito poderosas” para ajudar as pessoas a aprender sobre economia e bons hábitos financeiros, disse ela.
Ainda assim, os autores insistem que, se os participantes estiverem sendo inscritos automaticamente em planos de aposentadoria e adimplentes em produtos como fundos de ciclo de vida, eles devem ter pelo menos conhecimento básico sobre seus investimentos.

Lusardi é rápida em lembrar aos críticos que os fundos de ciclo de vida são arriscados – mesmo para aqueles que estão se aproximando da aposentadoria -, pois são investidos no mercado de ações. “O problema é que a maioria das pessoas sabe pouco sobre esses fundos, o risco que eles carregam e as taxas que eles cobram. É por isso que é útil fornecer educação financeira para que as pessoas possam aproveitar ao máximo seus investimentos”, afirma.

Lusardi, Fisch e uma terceira co-autora – Andrea Hasler, professora assistente de pesquisa em alfabetização financeira na Escola de Negócios da Universidade George Washington – argumentaram que, para tornar eficaz a educação financeira no local de trabalho, ela precisa ser mandatária, embora a medida pode parecer extrema.
Isso garantiria que todos os funcionários, não apenas aqueles que trabalham em grandes empresas, tivessem acesso à educação financeira no local de trabalho, disse Lusardi.

O papel do patrocinador – Certamente, a obrigatoriedade de educação financeira fornecida pelo empregador atraiu as mais altas críticas entre os grupos patrocinadores do plano, com alguns observando que isso aumentaria os custos e teria um efeito assustador nos programas de educação que estão sendo fornecidos.

“Depois que você estabelece um mandato, acho que assusta as pessoas a fazer apenas o que o mandato implica”, disse Aliya Robinson, vice-presidente sênior de política de aposentadoria e remuneração do Comitê da Indústria ERISA, em Washington.

Howland compartilhou esse pensamento. “Assim que o Departamento do Trabalho exigir algo, muitos patrocinadores do plano ficarão preocupados com a responsabilidade deles e apenas subirão para esse nível”, explica.
Howland disse que vê um mandato com cautela, porque os executivos do plano estão sempre inovando e buscando maneiras de ensinar aos funcionários uma variedade de tópicos financeiros.
“Não queremos ficar presos em uma caixa onde só temos uma caixa e temos que fazer uma única coisa. Não podemos sair da caixa porque se sairmos da caixa, estaremos com problemas”, afirma Howland.

Desde que o artigo foi publicado na Internet em maio, os autores se concentraram em chamar a atenção para seu trabalho, que está publicado na Cornell Law Review deste ano. Como parte desse esforço, eles se reúnem com os empregadores e planejam um evento na Universidade George Washington em novembro, para apresentar suas idéias e solicitar feedback das partes interessadas do setor, disse Lusardi.

Proposta para vencer o analfabetismo financeiro | Pesquisadores debatem educação monetária para participantes de fundos de pensão

http://www.investidorinstitucional.com.br/sessoes/inteligencia/institucional/33731-proposta-para-vencer-o-analfabetismo-financeiro-pesquisadores-debatem-educacao-monetaria-para-participantes-de-fundos-de-pensao.html?valor=20

Print Friendly, PDF & Email