Preocupação de Bolsonaro com caminhoneiros é legítima, diz presidente da Petrobras

"União alertou para o possível agravamento da situação", diz empresa sobre ameaças de caminhoneiros

12.abr.2019 às 19h47
Nicola Pamplona

Em nota divulgada no início da noite desta sexta (12), o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse ter considerado legítima a preocupação do governo com ameaça de greve dos caminhoneiros e, por isso, suspendeu o reajuste do diesel anunciado na quinta (11).

No texto, ele confirma ter recebido ligação do presidente Jair Bolsonaro antes de tomar a decisão pelo recuo. Na quinta, a Petrobras disse que não houve pedido do governo para suspender o reajuste – que seria o primeiro desde o dia 22 de março.

"Recebi ontem no fim do dia uma ligação telefônica do presidente Bolsonaro me alertando sobre os riscos do aumento do diesel divulgado pela Petrobras", escreveu Castello Branco, que está em viagem nos Estados Unidos.

"Considerei legítima a preocupação do presidente", prosseguiu, dizendo que a decisão foi tomada "com base em cálculos técnicos" e na posição de instrumentos de proteção financeira que a companhia diz usar para evitar perdas com a venda de combustíveis abaixo das cotações internacionais.

Ao fim do texto, Castello Branco afirma que a Petrobras é uma empresa "completamente autônoma para a tomada de decisões, coerente com seus fins institucionais e que sempre buscará a defesa dos interesses dos seus acionistas e do Brasil".

Em resposta a pedido de esclarecimentos da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), a Petrobras reforçou que o risco de nova paralisação dos caminhoneiros motivou a decisão.

"Diante do anúncio de reajuste do valor do diesel em 5,7% realizado em 11/04/2019 e das ameaças de nova paralisação [dos caminhoneiros], a União alertou para o possível agravamento da situação e solicitou esclarecimentos à Petrobras", disse a empresa.

Após o alerta, diz o texto, a companhia revisitou sua estratégia de proteção contra perdas com a venda de combustíveis mais baratos e avaliou que poderia segurar o preço "por mais alguns dias". O preço do diesel não é alterado desde 22 de março.

Em comunicado enviado na noite desta sexta, após pedido de explicações do órgão regulador do mercado de capitais, a empresa diz que reafirma a manutenção do alinhamento do preço do diesel às cotações internacionais.

As ações da Petrobras despencaram no pregão desta sexta, levando a empresa a perder R$ 32 bilhões em valor de mercado, o que levou a CVM a cobrar explicações.

A autarquia quer saber por que a Petrobras considerou que não era necessária a divulgação de fato relevante ao mercado. O recuo foi publicado no site da empresa no início da noite de quinta e divulgado pela imprensa. A Petrobras defende que comunicou a decisão "tempestivamente".

Preocupação de Bolsonaro com caminhoneiros é legítima, diz presidente da Petrobras – 12/04/2019 – Mercado – Folha

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2019/04/preocupacao-de-bolsonaro-com-caminhoneiros-e-legitima-diz-presidente-da-petrobras.shtml

Print Friendly, PDF & Email