Mais de 61 milhões de brasileiros não juntam dinheiro para se aposentar

Com o objetivo de compreender a percepção dos brasileiros sobre a previdência e identificar comportamentos que determinam as decisões dos cidadãos quanto a seu futuro, a Associação Nacional dos Participantes dos Fundos de Pensão (Anapar) realizou uma pesquisa inédita com a população. Entre as descobertas, uma constatação preocupante: renda insuficiente, falta de perspectiva e um elevado grau de endividamento são três fatores que, combinados, levam a maioria a não guardar dinheiro para a aposentadoria, produzindo um quadro de verdadeiro “desalento previdenciário” no país.

Maioria não guarda dinheiro

Dos 150 milhões de brasileiros a partir de 16 anos, 112 milhões (75%) declaram ter dívidas. Desses, 33% se consideram muito endividados ou endividados. Mais de 94 milhões (63%) dizem ter renda insuficiente para viver.

Somente 13% da população afirmam que poupam com alguma regularidade, 34% poupam de vez em quando e 51% não guardam dinheiro. Dos que poupam, 69% juntam até R$ 300 por mês; 46% afirmam que juntam apenas quando sobra dinheiro, 25% reservam uma parte assim que recebem e 17% deixam de comprar alguma coisa para poupar.

Com tantas incertezas, o brasileiro, quando junta, não pensa em longo prazo, mas em emergências ou na realização de um sonho, e posterga o planejamento do futuro. Perguntados sobre a principal finalidade do dinheiro poupado, 14% respondem que é para eventualidades, viagens (13%), casa própria (11%), educação dos filhos (10%), eletrônicos e eletrodomésticos (8%), carro ou moto (8%) e despesas com saúde (7%).

Falta de dinheiro leva a não poupar

Os itens mais citados como principais barreiras para juntar dinheiro são renda insuficiente (42%), despesas/contas (11%), dívidas (8%), preços elevados (6%) e gastos com saúde e educação, que somados formam 5%.

O endividamento mostra-se determinante na equação do “desalento previdenciário”. Três em cada quatro brasileiros têm dívidas. Entre eles, 36% pagam empréstimos, 22% têm financiamento de automóvel e 9% têm financiamento imobiliário. Dos endividados, 54% são mulheres e 64% têm 45 anos ou mais. A menor concentração está entre jovens de 16 a 24, apenas 8%.

Via de regra, a dívida guarda relação direta com o acesso a recursos financeiros. Não por acaso, entre os endividados, 68% são trabalhadores ativos, 21% são aposentados, 4% estão desempregados e 74% têm conta em banco.

Um dado, porém, reforça o antagonismo do endividamento com a formação de reserva previdenciária. Entre os endividados, 61% não contribuem para a Previdência Social, portanto, não guardam dinheiro para uma futura aposentadoria por meio do INSS e deixam de contar com benefícios como auxílio doença e aposentadoria por invalidez.

Falta de perspectiva

Todo esse contexto produz no brasileiro um raciocínio mais imediatista e uma falta de perspectiva sobre projetos pessoais de longo prazo, como é o caso da aposentadoria. Da amostra total, apenas 12% dizem que guardam dinheiro para se aposentar, 21% não guardam, mas planejam guardar e 61% não guardam dinheiro para aposentadoria nem planejam guardar.

Entre os que disseram não guardar dinheiro para se aposentar, somente 24% dizem pensar em fazer isso. Destes, 16% imaginam fazer isso em no máximo seis meses e 29% no máximo em um ano.

Entre os que ainda não se aposentaram, o grau de preocupação com a possibilidade de “não conseguir parar de trabalhar”, de 0 a 10, é 6,9. Quanto à possibilidade de que os gastos elevados com saúde consumam toda sua renda, o grau de preocupação é 6,8. Que o benefício do INSS não seja suficiente para o sustento (6,2) e a possível dependência da ajuda financeira de filhos ou familiares (5,7).

Brasil tem 61,5 milhões de “nem previdenciários”

O resultado de toda essa conjuntura é alarmante e projeta um futuro ainda mais difícil para o país. De todos os brasileiros, 35% contribuem para a Previdência Social. Somente 12% dizem juntar dinheiro por conta própria para aposentadoria.

Os superprevidentes, que juntam por conta própria e também contribuem para o INSS, constituem 9% da população. Os que poupam para aposentadoria, mas não contribuem para o INSS são 3%. Outros 24% não poupam pensando em se aposentar, mas contribuem para a Previdência Social. O maior grupo, 41% da população, é formado por aqueles que nem não são aposentados, não guardam dinheiro para aposentadoria, nem contribuem para o INSS. São os “nem nem previdenciários”, completamente desprotegidos seja pela Seguridade Social, seja por aplicações financeiras. São 61,5 milhões de pessoas que seguem sem guardar recursos para o amanhã, vivendo em um quadro de “desalento previdenciário”.

Se considerado somente o extrato da população que não está aposentado, os “nem previdenciários” representam 52%. Os superprevidentes são 11%, o que só contribuem para o INSS são 31% e os que só guardam por conta própria para aposentadoria somam 4%.

A Pesquisa Anapar Finanças Pessoais e Previdência Brasil 2018, encomendada ao Instituto FSB Pesquisa, realizou entrevistas domiciliares com 2.045 pessoas a partir de 16 anos, em 152 municípios, entre 8 e 13 de novembro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, com intervalo de confiança de 95%.

https://www.noticiasaominuto.com.br/economia/766448/mais-de-61-milhoes-de-brasileiros-nao-juntam-dinheiro-para-se-aposentar

Print Friendly, PDF & Email