Joesley: Mantega e Coutinho também abriram as portas dos fundos de pensão para a JBS

Joesley Batista também contou à PGR, em depoimento complementar obtido por O Antagonista, que Luciano Coutinho e Guido Mantega também lhe abriram as portas dos fundos de pensão.

Joesley queria R$ 1 bilhão do BNDES para comprar os frigoríficos National Beef, Smithfield Beef e Tasman.

Ao conversar com Coutinho sobre o plano, o então presidente do BNDES lhe disse que a quantia era elevada, mas poderia coordenar conversas junto a alguns fundos de pensão estatais.

Coutinho colocou diretores do próprio banco para fazer a ponte com Petros, Funcef, Previ e Valia. O BNDES entraria com 50% e os fundos com os outros 50%.

Os diretores do BNDES até viajaram com Joesley. O dinheiro do BNDES e dos fundos foi liberado mesmo sem a aprovação do negócio pelo DOJ americano.

Joesley pagou 4% de propina a Victor Sandri, o operador de Mantega, a partir da conta Valdarco para as offshores Lirium e Orquidea.

Como o DOJ acabou vetando, o BNDES deveria ter exercido cláusula de PUT option para que Joesley devolvesse o dinheiro investido. Mas não foi necessário, como contou o empresário à PGR.

“Eu liguei diretamente para ao superintendente da área de mercados de capitais do BNDES, Caio Melo.” O empresário alegou que o dinheiro teria de ser pago pela holding J&F que não estava operacional e, portanto, não tinha como pagar.

https://www.oantagonista.com/brasil/joesley-mantega-e-coutinho-tambem-abriram-portas-dos-fundos-de-pensao-para-jbs/

Print Friendly, PDF & Email