BNDES cria comitê de crise para dar apoio às investigações e aos funcionários

Empregados terão apoio jurídico e de comunicação. O banco também instalou comissão de apuração interna

Sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES) no Rio de Janeiro (Foto: Agência Brasil/Arquivo)Sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES) no Rio de Janeiro (Foto: Agência Brasil/Arquivo)

O BNDES criou um comitê de crise para dar apoio às investigações sobre as suspeitas de favorecimento do grupo JBS, um passo a mais nas medidas tomadas pelo banco de desenvolvimento para dar conta das apurações sobre as acusações que vieram à tona com a Operação Bullish, deflagrada no fim da semana passada pela Polícia Federal, sobre os aportes do banco ao grupo JBS, que teriam sido feitos a partir de junho de 2007 e usados para comprar outras empresas no ramo de frigoríficos, no valor de R$ 8,1 bilhões. A Polícia Federal encontrou indícios de que as operações foram executadas sem exigência de garantias e com a dispensa indevida de prêmio contratualmente previsto, o que teria gerado um prejuízo de aproximadamente R$ 1,2 bilhão aos cofres públicos. Na última terça-feira, o banco já havia anunciado a criação de uma Comissão de Apuração Interna, que terá prazo de 45 dias, prorrogáveis mais por mais 45 dias.

No comunicado enviado aos funcionários pela diretoria do BNDES, o banco afirma que o comitê vem se reunindo diariamente para discutir “estratégias de atuação, apuração dos fatos, suporte aos empregados investigados, colaboração com a Justiça e comunicação com os diversos públicos de interesse”.

O banco também começou, pelo que informa no comunicado, “uma campanha de engajamento e esclarecimento dos empregados sobre como obter informações corretas a respeito de temas de destaque nas redes sociais e na imprensa”. O BNDES pôs plantonistas nas áreas jurídica e de assessoria de imprensa, com telefones diretos para atender aos funcionários, com jornalistas, caso os funcionários sejam procurados diretamente por órgãos de imprensa, e advogados, além de “atenção psicossocial”. Os funcionários têm direito à assistência jurídica para custeio de despesas advocatícias, conforme prevê o estatuto do banco.

O BNDES, consultado, confirmou a criação do comitê, por meio de nota: “Na última sexta-feira, dia 12/5/2017, a diretoria do BNDES instituiu um Comitê de Crise que reúne a presidente, os diretores Jurídico, de Controladoria, de Mercado de Capitais e de Recursos Humanos, bem como membros das Áreas de Administração e Recursos Humanos, Jurídica e Comunicação”. Segundo a nota, a diretoria diz que “continua trabalhando em defesa dos empregados e do BNDES e na busca do esclarecimento dos fatos.” O banco não informou quantos funcionários estão sendo investigados.

O Tribunal de Contas do União (TCU) também investiga as operações com o grupo e calculou em R$ 711,3 milhões o prejuízo do banco somente com a compra de ações e debêntures (títulos de dívida) do grupo JBS. O tribunal chegou a considerar o aporte como “cessão graciosa de dinheiro público”, conforme O GLOBO informou com exclusividade.

A Polícia Federal, ao deflagrar a Operação Bullish, cumpriu 37 mandados de condução coercitiva (30 no Rio de Janeiro e sete em São Paulo) e 20 mandados de busca e apreensão (14 no RJ e seis em SP). Além disso, foram tomadas medidas de indisponibilidade de bens de pessoas físicas e jurídicas que participam direta ou indiretamente do controle acionário da JBS, até o limite do prejuízo que teria sido gerado.

http://epocanegocios.globo.com/Empresa/noticia/2017/05/bndes-cria-comite-de-crise-para-dar-apoio-investigacoes-e-aos-funcionarios.html

Print Friendly, PDF & Email