RELEMBRE – BOMBA – Clube do Amém na Petros

O deputado Paulo Azi (DEM-BA) comentou sobre a suposta existência de um “Clube do Amém” nos conselhos fiscais e deliberativos de fundos de pensão de estatais. “Esse nome, Clube do Amém, é o apelido que foi dado por participantes desses fundos [funcionários de estatais] para se referir a dirigentes que integram o conselho, mas estão ali apenas para cumprir ordens sobre os investimentos que os fundos devem fazer”, observou Azi.

 

Veja Infográfico

 

15 de fevereiro de 2015

Investigações provocam crise em fundo de pensão da Petrobras

 

RIO A devassa nas contas da Petrobras desencadeou uma crise na Petros, fundo de pensão dos funcionários da estatal. Na sexta-feira, durante reunião do Conselho Deliberativo da entidade, o diretor de Seguridade, Maurício França Rubem, surpreendeu os conselheiros ao pedir demissão. Foi mais um capítulo da disputa interna iniciada há dois meses, desde que a então presidente da Petrobras Maria das Graças Foster estendeu à Petros a auditoria interna em curso na estatal pelos escritórios Trench, Rossi e Watanabe Advogados e Gibson, Dunn & Crutcher. Em dezembro, antes da decisão, Helena Kerr, a diretora de Administração e Finanças, já havia pedido demissão. Agora, são duas cadeiras vagas na cúpula da Petros, que tem três diretores e um presidente.

A Petros entrou na mira da auditoria da Petrobras e também da Operação Lava-Jato depois que o advogado Carlos Alberto Pereira Costa, um dos auxiliares do doleiro Alberto Youssef, disse em depoimento que dirigentes da fundação receberam parte de uma propina de R$ 500 mil para fechar um investimento de interesse do esquema de lavagem de dinheiro investigado pela Polícia Federal. A Petros perdeu R$ 13 milhões com a operação. O advogado disse ainda que o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, ajudava a influenciar negócios de interesse de Youssef na Petros e em outros fundos de pensão, o que o petista nega.

Segundo maior fundo de pensão do país, com R$ 80 bilhões em ativos e 150 mil participantes, a Petros é controlada desde 2003 por dois grupos sindicais do PT. O mais forte é o de ex-sindicalistas bancários de São Paulo, do qual fazem parte Vaccari e Wagner Pinheiro, atual presidente dos Correios, que dirigiu a Petros entre 2003 e 2010. Além da presidência, esse grupo sempre controlou a diretoria de Investimentos, de onde saíram os dois sucessores de Pinheiro. O outro grupo, da Federação Única dos Petroleiros (FUP), ficava com as demais diretorias e a presidência do Conselho. A harmonia começou a mudar em março de 2014, quando o então diretor de Investimentos Carlos Fernando Costa assumiu a presidência. No lugar dele ficou o ex-diretor de Administração Newton Carneiro da Cunha, que é da FUP.

COTIDIANO VIGIADO

O clima pesou de vez com a investigação da Petrobras, definida em 26 de dezembro, justamente quando o grupo de Carlos Fernando Costa perdera a área de investimentos, principal alvo da auditoria. A inclusão da Petros foi vista como uma tentativa de Graça de trocar a diretoria da fundação, sobre a qual nunca teve influência. Sem evitar a investigação, o presidente conseguiu que o conselho administrativo convocasse uma reunião extraordinária para tratar de substituir a diretoria. Só ele ficaria no cargo. Cunha seria trocado por um de seus assessores, Marcelo Perillo.

Pouco antes da reunião, a mudança foi abortada, numa intervenção atribuída ao governo. Mas a essa altura, a relação entre os diretores já havia azedado. O presidente desautorizou decisões de Cunha, e os dois não se falam. Enquanto isso, a Petros vive um cotidiano vigiado. Para cumprir a ordem de não apagar arquivos e e-mails, a capacidade de armazenamento das caixas de mensagens foi ampliada. Caixas são empilhadas nas salas com papéis que não podem ser descartados. Funcionários ouvidos pelo GLOBO acreditam que a troca de Graça por Aldemir Bendine na presidência da Petrobras pode beneficiar o grupo dos bancários na disputa. O ex-presidente do Banco do Brasil seria mais próximo deles e tem o poder de influenciar as decisões do Conselho Deliberativo da Petros como presidente da patrocinadora, que tem voto de desempate.

PETROS NEGA SUSPEITAS DE IREGULIRADIDADES

Procurada pelo GLOBO, a Petros não quis comentar a crise na diretoria. Em nota, afirmou que não comenta publicamente questões internas referentes à sua administração. A fundação informou que a inspeção interna requerida pela Petrobras está em curso, mas é de responsabilidade da estatal, que mantém os resultados em sigilo. A fundação frisou ainda que o fato de estar sob a inspeção solicitada pela Petrobras não significa que haja alguma irregularidade ou suspeita de irregularidade.

Em relação às investigações da Operação Lava-Jato, a Petros informou que não recebeu qualquer comunicado oficial e nem teve acesso ao teor das denúncias, mas criou uma auditoria interna, com o apoio de consultoria externa independente, para avaliar todos os ativos de crédito com provisões de perda. O objetivo da auditoria ainda em curso, que a fundação diz ter sido decidida antes da inspeção da Petrobras, é verificar se foram realizados de acordo com todas as regras de governança.

Vários investimentos malsucedidos feitos pela Petros foram compartilhados por outros fundos de pensão. Participantes e funcionários dessas entidades denunciaram a Ministério Público, Polícia Federal e Previc, órgão regulador do setor, sinais de uma coordenação política externa para direcionar fundos de pensão de estatais para operações suspeitas. Uma das denúncias, que baseou a abertura de um inquérito da PF no Rio, chama o esquema de clube do amém, revelou O GLOBO em novembro.

Print Friendly, PDF & Email