Perguntas aos Conselheiros da PETROS

Cenário 1 :  Durante todos esses anos, os Conselheiros têm aprovado formalmente vários investimentos, como Operação Itausa, Invepar / Guarulhos, Sete Brasil  e outros desse tipo,   que vêm sendo realizados pela Direção da Petros,  por interesses externos do Governo e da Patrocinadora e que, hoje,  depois das  análises e questionamentos  formulados pela CPI dos Fundos de Pensão  e pela Operação Lava-jato, têm se mostrado como investimentos danosos e prejudiciais ao nosso Fundo.

 

Pergunta 1 :   Os Conselheiros da Petros –  seguindo  as  inconsistentes explicações da Direção da Petros junto aos Órgãos Oficiais -,  ainda continuam considerando esses investimentos como positivos ou, diante da atual realidade,  mudaram sua posição e os consideram também como negativos e danosos aos interesses de nosso Fundo Petros ?  Se positivo, o que farão para impedir a continuidade desse tipo de Investimento ?

 

 

 

Cenário 2 :  Especificamente os Conselheiros  Paulo T. Brandão e Fernando Siqueira,  há cerca de uns seis meses, fizeram ardentes  e  extensas defesas da “Sete Brasil”  e das aplicações nela realizadas pela Direção da Petros.

 

Pergunta 2 :  Os Conselheiros da Petros, mesmo depois do  fracasso dessa Empresa,  de sua situação de insolvência, do rombo de 1 bilhão aplicado por ela ao FGTS, ainda mantêm  sua defesa dessa Empresa  e recomendam à Direção da Petros novas aplicações na mesma ?  Ou já têm um opinião diferente ?

 

 

 

Cenário 3 :  O Sr. Presidente da Petros, em seu Depoimento na CPI dos Fundos de Pensão, no dia 01/09/2015, declarou expressamente, sob juramento :  “…Do ‘buraco’ que a Petros se meteu nos últimos dois anos, 90% vêm de passivos gerados a partir de reivindicações de trabalhadores aposentados, entendendo que têm direitos como se estivessem na ativa…”

Pergunta 3 :  Os Srs. Conselheiros concordam com essa afirmativa do Presidente da Petros ?  Se não concordam, o que fizeram de concreto e de efetivo, junto aos Órgãos Oficiais, para contestar essa posição ?

 

 

 

Cenário 4 : No mesmo depoimento acima e no mesmo item, o Sr. Presidente da Petros afirmou  que, além dos 90% do “buraco” creditados aos passivos dos aposentados,  “…R$ 3 bilhões são do fundo previdenciário e R$2,4 bilhões são reservas constituídas para fazer frente às ações trabalhistas. Se a gente somar mais R$ 2 bilhões do impacto  da redução do preço do minério no valor das ações da Vale,  a gente vai ter mais de R$ 6 bilhões…”

O déficit da Petros, inclusive “relativizado”  pela Direção da Petros e em muitos  escritos dos srs. Conselheiros,  que sempre os imputam  ao “…cenário negativo internacional e às variações das bolsas…” deve chegar à casa dos 20 bilhões…

 

Pergunta 4 :  Os srs. Conselheiros ainda permanecem  defendendo esse posicionamento  sobre as causas desse déficit, semelhante  ao da Direção da Petros,  ou  já estão convencidos que esse déficit, tem também como causa a má Gestão da Petros  e os maus investimentos realizados pela mesma ?  Se positivo, o que os srs. Conselheiros, como “gestores”  maiores da Petros,  estão fazendo de concreto e efetivo, junto aos Órgãos Oficiais, para denunciar essa má Gestão que conduz a nossa Petros ?

 

 

 

Cenário 5 :  Há algum tempo,  participantes da Petros, convencidos da impropriedade e dos desacertos da atual Direção da Petros,  promoveram uma Petição ao CD, com mais de 3.000 assinaturas, solicitando a não recondução da atual Diretoria da Petros.  Nenhum  Conselheiro,  pelo que se sabe, assinou  tal petição.  Ou porque estão contentes  com a atual Direção da Petros, ou porque julgam que não devem se expor publicamente, mesmo  concordando com  a Petição.

 

Pergunta 5 :  Qual a posição que será tomada pelos srs. Conselheiros, em relação a essa Petição,  na reunião do CD programada para  depois que for disponibilizado o Balanço / 2015 ? Vão votar a favor da Petição, ou contra ela ?

 

 

 

Cenário 6 :   Segundo comunicados oficiais da Petros, durante este ano de 2016, será discutido com os vários atores envolvidos, o equacionamento do deficit da Petros, certamente  com  o respaldo financeiro  dos participantes, que não têm qualquer responsabilidade  sobre esse déficit,   pois além de não terem participado das decisões  erradas  que levaram a ele,  por diversas vezes,  alertaram  a Petros e os Conselheiros, sobre  a ocorrência desses desvios…

 

Pergunta 6 :  Nessas negociações, qual será a posição dos srs. Conselheiros ? Vão aceitar  a  imputação  de  participação financeira  dos  participantes, ou vão contestar  esse  modelo? Se positivo, quais  as providênciasconcretas e efetivas que  irão  tomar junto aos Órgãos responsáveis, para barrar essa pretensão  daqueles que são os únicos responsáveis diretos  pelos déficits ?

 

 

 

Cenário 7 :  Foi aprovado no dia 07/04, pelo Senado Federal, o Projeto de Lei que impede a designação de indivíduos despreparados ou filiados a partidos políticos, como Gestores dos Fundos de Pensão. Os atuais  Gestores da Petros, são todos eles sindicalistas, sem a devida experiência anterior nessa função e são todos filiados a partidos políticos.  Já demonstraram, nesse um ano de sua Gestão,  que não têm condições para tal, inclusive elevando o deficit de nosso Fundo para cerca de 20 bilhões!

 

Pergunta 7 :  Diante dessa situação claramente  incompatível  com as orientações do Projeto acima citado, que se tornará Lei,  o que  farão os srs. Conselheiros de efetivo,  junto ao Órgãos devidos, para sanar essa anomalia e essa irregularidade que  está presente na Gestão de nosso Fundo ?

 

 

Acredito que, entre tantos temas,  essas questões devem ser do interesse direto  dos participantes e  os srs. Conselheiros  estariam  prestando  um grande serviço a todos, se respondessem  com clareza e de modo direto,  às questões acima formuladas!

 

Acreditando estar  somando  e contribuindo, fico na expectativa.

 

Márcio Dayrell Batitucci

 

Print Friendly, PDF & Email