Fernando Siqueira: “a cobrança do equacionamento dos petroleiros é uma possibilidade remota”

Guardem esse e-mail em um lugar seguro e que consigam recuperá-lo no início de 2017.

Se não é rombo certamente não teremos nossa aposentadoria reduzida em janeiro de 2017.

Palavra do Conselheiro Fiscal “…eleito por indicação do CDPP…” que deveria, por dever de ofício, representar os interesses genuínos dos Participantes, mas que prefere desempenhar o papel de “caixa de ressonância” dos gestores temporários da Petros e defender os comprovados efeitos nefastos do sindical/partidário.

Por que? Para que?

Obs.:

1- significado de pateta – Diz-se da, ou pessoa tola, parva, pouco inteligente.

2- significado de dissimulado  – Que tem por costume dissimular; calado, fingido. Oculto, encoberto, disfarçado.  Astuto, manhoso, pérfido.


 

Pagamento de dívida da Petrobrás à Petros eliminaria equacionamento

O déficit técnico de R$ 15 bilhões e o possível equacionamento do plano Petros foi o tema central da palestra de Fernando Siqueira, conselheiro eleito do fundo de previdência dos petroleiros, que aproveitou ainda para falar da situação da Petrobrás, que fica ainda mais difícil com a aprovação da PLS 131, aprovada nesta quarta-feira (24), pelo Senado.
Para Siqueira, a cobrança do equacionamento dos petroleiros é uma possibilidade remota, já que a Petrobrás, patrocinadora do plano, tem uma dívida com a Petros, referente ao déficit causado pelo não pagamento de Acordo de Obrigações Recíprocas (AOR). Na época, o valor chegava a R$ 10 bilhões, mas devido a acordo com a FUP, a Petrobrás se comprometeu a pagar R$ 4,7 bilhões. Este valor foi contabilizado pela Petros, mas não foi pago e hoje, com a atualização anual, chega a R$ 9,2 bilhões. Considerando que o acordo não foi pago pela Petrobrás, a empresa deve ainda cerca de R$ 9,8 bilhões ao fundo, o que daria ao plano um superávit de cerca de R$ 5 bilhões. É sobre esses números que os conselheiros da Petros embasam a defesa da categoria, para que o equacionamento não seja cobrado dos petroleiros.
Também parte da Petrobrás a indicação para a diretoria da Petros. Sendo assim, os investimentos que tiveram prejuízos são de inteira responsabilidade da companhia. Segundo Siqueira, a diretoria de investimento tem até o fim de março para indicar os motivos que causaram os maus investimentos ao plano. Com isso, será possível cobrar punição aos culpados pelos erros cometidos, que em caso de fraude pode acarretar até em prisão dos envolvidos.
A palestra nesta quinta-feira (25) será no Teatro Municipal de São Sebastião localizado na Avenida Dr. Altino Arantes, nº 2 , Centro.

O déficit técnico de R$ 15 bilhões e o possível equacionamento do Plano Petros foi o tema central das palestras que Fernando Siqueira, conselheiro fiscal eleito do fundo, ministrou aos petroleiros do Litoral Paulista. No dia 24, a palestra aconteceu na sede do Sindicato, em Santos, e no dia 25 foi a vez dos petroleiros do Litoral Norte participarem da atividade, que ocorreu no Teatro Municipal de São Sebastião. Siqueira ainda aproveitou para falar da situação da Petrobrás, que fica ainda mais difícil com a aprovação da PLS 131, aprovada na última quarta-feira (24), pelo Senado.

Para Siqueira, a cobrança do equacionamento dos petroleiros é um equívoco, já que a Petrobrás, patrocinadora do plano, tem uma dívida com a Petros, referente ao déficit causado pelo não pagamento de Acordo de Obrigações Recíprocas (AOR). Na época, o valor chegava a R$ 10 bilhões, mas devido a acordo com a FUP, a Petrobrás se comprometeu a pagar R$ 4,7 bilhões. Este valor foi contabilizado pela Petros, mas não foi pago e hoje, com a atualização anual, chega a R$ 9,2 bilhões. Considerando que o acordo não foi pago pela Petrobrás, a empresa deve ainda cerca de R$ 9,8 bilhões ao fundo, o que daria ao plano um superávit de cerca de R$ 5 bilhões. É sobre esses números que os conselheiros da Petros embasam a defesa da categoria para que o equacionamento não seja cobrado dos petroleiros.

Também parte da Petrobrás a indicação para a diretoria da Petros. Sendo assim, os investimentos que tiveram prejuízos são de inteira responsabilidade da companhia. Segundo Siqueira, a diretoria de investimento tem até o fim de março para indicar os motivos que causaram os maus investimentos ao plano. Com isso, será possível cobrar punição aos culpados pelos erros cometidos, que em caso de fraude pode acarretar até em prisão dos envolvidos.

 

Print Friendly, PDF & Email