Governo quer ‘reprivatizar’ a Vale, diz secretário de desestatização

Salim Mattar destaca que a companhia tem entre seus controladores fundos de pensão patrocinados pelo governo

BRASÍLIA – O secretário especial de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, Salim Mattar, afirmou nesta quarta-feira, 13, que a Vale precisa ser "reprivatizada". Ele argumentou que a Vale ainda não foi privatizada, porque fundos de pensão ainda detêm controle da empresa. "Nós estamos aqui para reprivatizar a Vale", disse durante o seminário Abertura do Ano de 2019, da Revista Voto, em Brasília.

Após o evento, em conversa com jornalistas, ele disse que é preciso "descobrir o melhor timing para a venda de ações da Vale". Ele ponderou que ainda ‘não há horizonte’ para a venda e que não está incentivando fundos e bancos públicos a venderem as ações neste momento, mas que é preciso refletir. Para ele, é "natural" que isso aconteça no futuro. "Esse governo veio para desestatizar, é natural que num período de tempo essas ações sejam vendidas", afirmou.

Mattar citou reportagem do Uol que mostrou que a Vale é controlada por fundos de pensão, como Previ, e de bancos públicos como Banco do Brasil (Previ), Caixa Econômica (Funcef) e Petrobras (Funcef).

O secretário lembrou a tragédia de Brumadinho e disse que, após o rompimento de rejeitos da Vale no local, "veio a tona muita coisa" sobre a empresa. Ele destacou que a Vale é "uma fantástica companhia e estava prestes a se transformar na número um do mundo".

Mattar também defendeu que é preciso fechar estatais deficitárias e afirmou que serão privatizadas ou fechadas as quatro estatais que estão sob o Ministério da Economia: Casa da Moeda, Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) e Dataprev.

https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,governo-quer-reprivatizar-a-vale-diz-secretario-de-desestatizacao,70002719633

Print Friendly, PDF & Email