MP adia para 5 de dezembro depoimento de Paulo Guedes em inquérito sobre fundos de pensão

Inquérito apura se Paulo Guedes, futuro ministro de Bolsonaro, deu prejuízo a fundos de pensão. Economista diz que investigação se baseia em um relatório frágil.

O Ministério Público Federal marcou para o dia 5 de dezembro depoimento do economista Paulo Guedes em inquérito aberto no fim do mês passado para apurar suspeitas de irregularidades em investimentos de fundos de pensão.

O depoimento estava agendado para 14h desta terça (6), mas foi adiado pelos próprios procuradores do caso que tiveram problemas de agenda.

O economista Paulo Guedes — Foto: Sergio Moraes/Reuters

Segundo o Ministério Público, fundos de pensão de estatais aplicaram em dois fundos de investimento administrados por uma empresa de Paulo Guedes e perderam R$ 200 milhões.

A suspeita é de que os investimentos dos fundos de pensão tenham sido aprovados sem uma análise adequada e tenham gerado lucros excessivos a Paulo Guedes.

Chamou a atenção dos investigadores que os quatro fundos de pensão que mais investiram com Paulo Guedes na época, Previ (Banco do Brasil), Petros (Petrobras), Funcef (Caixa) e Postalis (Correios), são hoje alvos de operações de forças – tarefa, como a Greenfield, com foco nesta modalidade de investimento – o Fundo de Investimento em Participações (FIP).

Quando a investigação foi aberta, a defesa de Paulo Guedes afirmou que a investigação se baseia em um relatório "fragilíssimo", que tratou de apenas um, dentre quatro investimentos realizados pelo fundo.

Segundo a defesa, esse relatório omite o lucro "considerável" que o fundo tem propiciado aos investidores, com perspectiva de ganhos de mais de 50% do valor investido.

MP investiga se Paulo Guedes cometeu irregularidades em investimentos de fundos de pensão

https://g1.globo.com/politica/noticia/2018/11/06/mp-adia-para-5-de-dezembro-depoimento-de-paulo-guedes-em-inquerito-sobre-fundos-de-pensao.ghtml

Print Friendly, PDF & Email