Petroleira CNPC aproxima-se do Comperj

A Petrobras e a China National Petroleum (CNPC), estão em conversações sobre a formação de uma parceria estratégica que permita à empresa chinesa investir na refinaria do Comperj e no conjunto de campos de Marlim na Bacia de Campos, no Brasil.

Os chefes de convênios (HoA) assinados pelas duas empresas estatais “definem os ativos que fazem parte do escopo da parceria, dentro do conceito de projeto integrado, que inclui a conclusão da refinaria do Comperj e a participação no projeto. Cluster de Marlim ”, disse a Petrobras em um comunicado.

O acordo estruturado permitiu que a empresa chinesa tivesse acesso ao processo de produção dos campos do Comperj.A Reuters informou em abril que o complexo precisa de cerca de US $ 3 bilhões em investimentos adicionais para alcançar uma capacidade inicial de processamento bruto de 165.000 bpd. É provável que a empresa chinesa tenha acesso para permitir o processamento da produção dos campos da refinaria.

A produção de três dos campos do cluster de Marlim (Marlim, Marlim Sul e Marlim Leste) na Bacia de Campos caiu de 446 mil boe em maio de 2017 para 369 mil boe no mesmo mês deste ano, embora a Petrobras pretenda instalar duas novas plataformas de produção a área até 2021. O acordo com a CNPC para uma participação em Marlim Sul também incluiria o campo Voador adjacente.

As duas empresas inicialmente discutiram o plano mais amplo em meados de 2017, mas os termos não puderam ser acordados.

O planejamento para o Comperj recua ainda mais, com o projeto sendo revelado em 2004 com o objetivo de aumentar a auto-suficiência do Brasil na produção de combustível e reduzir as importações.

O trabalho no projeto de produção de refinaria e petroquímica de dois trens teve início em 2006, quando as operações estavam programadas para começar em 2012 e o projeto custava US $ 6,5 bilhões. Em 2014, no entanto, os custos de desenvolvimento aumentaram para cerca de US $ 13,5 bilhões, sendo que esse montante foi gasto na construção parcial de apenas um trem na refinaria.

O investimento chinês, se finalizado, será usado para completar esta parte da planta.

Entrar no Dragão

A CNPC é um parceiro lógico da Petrobras, uma vez que procura revigorar o Comperj. O gigante chinês integrado possui uma série de refinarias de petróleo em seu mercado doméstico e também é um ator importante no exterior.

Seus interesses estrangeiros incluem a refinaria de Shymkent no Cazaquistão, bem como participações em fábricas no Japão, Cingapura e outros locais, principalmente na África. A empresa possui participações na refinaria de petróleo de N’Djamena, no Chade, na fábrica de Soralchin, na Argélia, e na refinaria de Cartum, no Sudão.

Esses projetos deram à CNPC uma vasta experiência em gerenciamento de projetos de novas capacidades de refino em mercados estrangeiros que serão transferidos para o Comperj. O acordo também daria à China sua primeira capacidade de refino nas Américas.

A CNPC já possui uma presença upstream no Brasil por meio de sua participação de 10% no campo de pré-sal de Libra, na Bacia de Santos. A empresa está desenvolvendo o campo com a Petrobras ao lado do também investidor chinês CNOOC e das principais petrolíferas européias Total e Royal Dutch Shell. Sua subsidiária CNOPC também possui 20 por cento do bloco pré-sal Peroba com a Petrobras e a BP.

A ligação de sua presença no exterior com o investimento na refinaria do Comperj proporcionaria à empresa chinesa uma presença mais integrada no Brasil, o que poderia servir de modelo para outras companhias petrolíferas internacionais (IOCs).

Dito isso, os planos da Petrobras de abrir as portas para uma participação privada mais ampla no setor de refino do Brasil sofreram um golpe na semana passada. Em abril, a empresa disse que dividiria quatro refinarias e a logística associada em duas parcelas – uma no nordeste do Brasil e uma no sul – e venderia uma participação de 60% em cada uma. Mas em 3 de julho a empresa suspendeu este plano depois que uma decisão de um juiz da Suprema Corte determinou que a aprovação do Congresso e uma licitação eram necessárias antes que uma mudança na estrutura acionária dos ativos pertencentes a empresas públicas pudesse ocorrer.

A Petrobras também suspendeu as vendas de uma fábrica de fertilizantes e uma distribuidora de gás após a decisão do juiz do Supremo Tribunal Ricardo Lewandowski.

Se essa decisão for revogada e o programa de vendas voltar aos trilhos, o plano da Petrobras poderá ter um efeito transformador no setor de downstream no Brasil. Mas isso depende se a empresa pode manter o controle sobre seu preço de combustível, um assunto que está sendo debatido de forma acalorada após a intervenção do governo para resolver uma greve dos caminhoneiros em todo o país em maio.

Os potenciais investidores poderiam ser atraídos para o enorme potencial do mercado a jusante do país. E, assim como a CNPC, eles podem procurar estruturar acordos para que eles tomem participações em campos marítimos para garantir um suprimento constante de matéria-prima para as refinarias nas quais investem.

Isso pode fazer com que as próximas rodadas de licitações no Brasil ganhem uma importância estratégica maior, já que os COIs aproveitam uma oportunidade única para comprar uma posição integrada no país da prateleira.

https://clickpetroleo.com.br/petroleira-cnpc-aproxima-se-da-maior-refinaria-brasileira/

Print Friendly, PDF & Email