Previ volta a ter déficit em plano de benefício definido

A turbulência dos mercados em maio afetou o desempenho dos fundos de pensão. Com o resultado negativo de R$ 7,5 bilhões no mês, a maior fundação da América Latina, a Previ, dos funcionários do Banco do Brasil, voltou a acumular déficit no ano, de R$ 7,1 bilhões, no Plano 1, de benefício definido.

Outra fundação que também teve resultado negativo em maio foi a Valia, dos funcionários da Vale. O recuo de 0,62% foi o primeiro desempenho negativo em 2018. O resultado do ano, contudo, está positivo em 3,2%.

No caso da Previ, a fundação fez distribuição de superávits de 2007 a 2013, quando suspendeu contribuições e pagou benefícios especiais temporários. Em 2015, teve um resultado negativo de R$ 16 bilhões, recuperado a partir de janeiro deste ano, quando o superávit chegou a R$ 1,3 bilhão. O resultado positivo subiu para R$ 1,8 bilhão em março, caindo novamente em abril para R$ 421 milhões. "Um ano de eleição traz muitas incertezas, mas essa volatilidade no mercado não significa a materialização de um prejuízo", destacou a Previ, em nota aos associados.

Segundo a fundação, os mesmos ativos que geraram os superávits no passado são os que estão agora subvalorizados. A variação do valor dos investimentos do Plano 1 em maio de 2018 foi negativa em aproximadamente R$ 5,6 bilhões, de acordo com a Previ.

O plano, cujo ativos são avaliados em mais de R$ 161 bilhões, tem exposição de R$ 74 bilhões em renda variável. A carteira a mercado, de R$ 32 bilhões, teve recuo de 14,84% em maio, enquanto a de participações (R$ 41,5 bilhões) caiu 0,09%. Já a carteira terceirizada, de quase R$ 500 milhões, caiu 11,57%. No resultado consolidado, o Plano 1 teve queda de 3,5%. No Previ Futuro, de contribuição definida, o recuo foi de 3,27% em maio.

O desempenho dos fundos de pensão foi afetado pelas incertezas geradas pela greve dos caminhoneiros e pela surpresa com a manutenção da Selic pelo Banco Central em 6,5%, além da expectativa de aperto maior de juros nos EUA. Um levantamento da consultoria Aditus com 110 fundos de pensão clientes, que reúnem R$ 203 bilhões em ativos distribuídos em 239 planos de benefícios, mostra que o resultado agregado das fundações em maio ficou negativo em 0,6%, ante meta de 0,86% (considerando INPC mais 5,2% ao ano). O estudo não inclui a Previ.

Segundo o estudo da Aditus, em maio, os investimentos em renda variável passiva recuaram 10,71% reduzindo os ganhos no ano para 2,44%. Já a ativa caiu 8,99%, levando a uma queda de 1,32% no ano. Os multimercados perderam menos no mês – 0,31%- com ganho de 2,45% nos cinco primeiros meses de 2018. A renda fixa tradicional teve alta de 0,43% no mês e de 2,59% no ano. A renda fixa atrelada à inflação teve queda de 1,6% em maio, mas ainda acumula ganhos de 2,22% em 2018.

"O mês foi realmente muito ruim, por muitos fatores. Em momentos recentes mais complicados, como a eleição do Donald Trump, nos Estados Unidos, e a delação premiada dos irmãos Batista, a turbulência foi mais pontual. Maio de 2018 foi muito pior", disse o sócio da Aditus, Guilherme Benites.

No acumulado do ano, 77% dos planos estão acima da meta atuarial – de 3,24% -, contra 23% que estão abaixo. A mediana dos resultados dos cinco meses de 2018 é de 2,57%.

Benites lembra que a volatilidade era esperada para 2018, especialmente por causa do ano eleitoral, mas o movimento ocorreu antes do esperado. "Não tenho visto grandes mudanças de rumo das fundações. A macroalocação deve ser respeitada, com algum ou outro ajuste. Não vejo alteração relevante nos planos, mas há um certo desânimo sobre o que fazer daqui para a frente. Não espero muita atividade nos próximos meses", afirmou.

https://mobile.valor.com.br/financas/5647591/previ-volta-ter-deficit-em-plano-de-beneficio-definido

Print Friendly, PDF & Email