‘Somos radioativos, não peça propina’, diz presidente da Camargo Corrêa Infra

ENTÃO DEVOLVA O QUE NOS ROUBOU EM ITAUSA-CAMARGO CORRÊA-PETROS

Sob comando da nova divisão da construtora, criada para isolar as obras pós-Lava Jato, Décio Amaral diz que quer liderar uma transformação do setor

29.abr.2018 às 2h00
Alexa Salomão Taís Hirata

A Camargo Corrêa não paga mais propina. Se alguém pedir, será denunciado. O recado é de Décio Amaral, presidente da Camargo Corrêa Infra, novo braço do grupo, criado para tocar apenas os novos projetos da empresa. Tudo o que diz respeito ao passado, incluindo a Operação Lava Jato —concessões, obras, negociações com as autoridades— fica isolado na construtora, que é controladora da CCInfra.

“Somos radioativos, não peça propina”, diz ele, na sede da nova companhia, em São
Paulo, que ainda traz as paredes brancas, à espera do logo da empresa.

Segundo o executivo, a Camargo Corrêa foi “corajosa” ao ser a primeira empresa envolvida na Lava Jato a fazer leniência. Agora, o novo braço do grupo vai liderar uma transformação no modo com o setor privado se relaciona com o governo. Amaral defende que é preciso alterar as regras de contratação de projetos de engenharia. Propõe também a revisão do chamado aditivo aos contratos —adicionais ao preço original que permitem aumentos de até 25% nos custos das obras já em andamento.

“Dá para tolerar variações entre 10% e 15%. Mas muita gente faz o que no mercado? Pega o preço certo, dá 25% de desconto e depois vê o que faz. A gente não quer isso”, afirma o executivo.

Para Amaral, o Brasil não precisa de novas leis para acabar com a corrupção —bastaria acabar com o corruptor. E ainda faz uma convocação: “Convido toda a liderança empresarial do Brasil a fazer como a gente. Aqui não tem corruptor. Se todo mundo do setor privado agir como a gente não precisa de lei nenhuma.”

Como foi receber a notícia das denúncias e prisões?

Foi um baque enorme. Naquele momento, a sociedade carimbava todo o mundo. Muitas pessoas disseram: “Você tem que sair do grupo”. Eu pensei, não preciso. Não estou fazendo nada de errado, nunca recebi pressão para fazer nada de errado. Minha família sempre entendeu e sabe bem o que faço e o que não faço. Ficou até feliz, “o papai vai ajudar a mudar o Brasil”. E vou trabalhar para que isso aconteça.

O que seria essa nova visão?

Somos uma empresa relevante no cenário brasileiro, importante na infraestrutura. Podemos ser um agente de transformação. A gente quer mudar a forma como o setor privado se relaciona com o setor público —uma forma mais transparente, produtiva e profissional. Tem que mudar também porque o grande cliente nosso no futuro vai ser privado. Quando se fala de empresas privadas, a exigência é muito mais alta.

Mas como se faz isso na prática? 

A primeira coisa é entender que não pode contratar engenharia pelo menor preço. Isso é uma barbaridade. No investimento total a engenharia custa de 3% a 5%, mas uma má engenharia pode fazer com que o todo do projeto fique até 30% mais caro. A coisa tem que começar direito.
Além disso, a lei ainda permite o famoso aditivo de 25% [percentual adicional no custo original, por causa de algum problema imprevisto], com as obras já iniciadas. A gente é contra. Se você faz um bom projeto, por que vai ter um cheque em braco de 25%? Um bom projeto básico deveria tolerar variações de quantidade entre 10% e 15%. Muita gente faz o que no mercado? Pega o preço certo, dá 25% de desconto e depois vê o que faz. A gente não quer isso.

Se opor ao aditivo é uma postura completamente contrária ao que vem ocorrendo no setor nos últimos 20 anos. Sempre se disse que imprevistos acontecem.

Eu não trabalhei nesse setor nos últimos 20 anos. Cheguei agora. Sou radicalmente contra. Eu abro mão de contrato se perceber que vai ter aditivo lá na frente. Outra coisa importante é a participação mais ativa das seguradoras. É o modelo americano: na contratação pública, você tem que ter uma seguradora que precisa assinar como interveniente do contrato. Se der problema, cabe à seguradora entrar para fazer e acontecer. Isso é fundamental. Se uma seguradora precisa garantir, vai fazer uma diligência muito mais aprofundada na empresa e no projeto.

O que ficou claro nas investigações é que tem também a cobrança de propina para dar a dianteira à empresa. Como resolve isso?

Na nossa agenda da tolerância zero, tem alguns pilares. O básico, que é o sistema de detecção. Isso é obrigação mínima. Se a companhia sofrer qualquer dano de imagem ou financeiro, por algo que foi feito de forma irregular que eu não capturei pelo sistema de denúncia, ninguém ganha remuneração variável na empresa. Zero pra todo mundo. Isso não pode mais.

Alguém já pediu propina para vocês depois da Lava Jato?

Não. E se pedir, nós vamos armar um esquema e vamos denunciar. Bota bem grande aí: se pedir, nós vamos denunciar. Nós somos radioativos, não peça propina.

O mercado, depois de passar por tudo isso, extirpou a propina?

Não vou ser ingênuo de achar que o Brasil mudou do dia para a noite e também não vou ser ingênuo de dizer que está limitado a este setor, todos somos brasileiros e sabemos como isso funciona. Não precisamos de mudança de lei para acabar com a corrupção, porque para ter corrupto tem corruptor. Aqui não tem corruptor. Eu não transfiro a responsabilidade para os outros. Se todo mundo do setor privado agir como a gente não precisa de lei nenhuma. Convido toda a liderança empresarial do Brasil a fazer como a gente.

Quantas obras públicas vocês têm hoje? 

Hoje são cinco. A gente não tem nenhum preconceito com o setor público, mas tem alguns critérios para participar. O primeiro critério é que o ente público tenha uma governança minimamente adequada. O segundo, mais importante, é financiamento garantido. E a gente prefere que seja internacional, porque impõe um nível de governança maior.

Quanto a empresa encolheu após os escândalos? 

Encolheu muito. No pico anterior à Lava Jato, em 2013, chegamos a ter 60 mil funcionários [em todo o grupo], entre obras próprias e em consórcio. Antes da separação das duas empresas estávamos [os dois braços de construção] perto de 13 mil. Foi uma redução expressiva.

Como está a relação com o BNDES? 

Nós não temos nenhum problema no BNDES. Estamos com o cadastro absolutamente positivo. Hoje não temos nenhuma necessidade de captação, mas estamos liberados em todos os bancos. A empresa tem um endividamento baixíssimo, hoje deve estar com R$ 121 milhões, e a gente termina o ano com R$ 60 milhões de dívida, basicamente de financiamento de equipamentos.

Como foi a reestruturação? 

Percebemos que tinha uma necessidade de sistematizar a colaboração quando assinamos o acordo de leniência com o Ministério Público. A outra agenda era preparar o futuro da empresa, renovar as lideranças. Quando percebemos que a empresa tinha conseguido organizar isso, pensamos: bom, agora são duas agendas diferentes, porque essa colaboração com as autoridades a gente não sabe se resolve em um mês ou cinco anos —e temos que olhar para o futuro. Decidimos separar essas coisas, de maneira super transparente.
A gente não quer caracterizar esvaziamento econômico, então a nova empresa é subsidiária integral, qualquer resultado que gerar aqui sobe para a empresa de cima, de modo que se não tiver condições de pagar suas contas, vai pagar com esse dividendo. Não tem curto-circuito. E vamos manter o nome, a gente não quer jogar nada para debaixo do tapete. A gente não se orgulha do erro, mas se orgulha da forma que reagimos ao erro. Foi muito corajoso ser a primeira grande construtora a fazer leniência com legislação nova ainda não estabilizada.

Vocês pretendem trazer sócios? 

Eu tenho essa liberdade, se achar que é melhor para distribuir resultado. Não tenho dúvida hoje que pelo menos no nível de projetos isso vai ser importante e necessário. Dependendo do tamanho da obra, não tenho mais balanço para ir sozinho. Preciso de parceiros. Não estou imaginando no curto prazo uma associação entre as brasileiras. Todo mundo ficou meio magoado com o que aconteceu. Nós já estamos olhando parcerias internacionais para obras relevantes no Brasil. Se isso no futuro virá a ter uma associação em termos de equity [capital], não há problema, o negócio tem autonomia. 

Como está a negociação com o TCU (Tribunal de Contas da União) para a leniência? Esse é o foco da construtora. O que posso dizer é que desde o primeiro dia após o acordo a gente iniciou as tratativas. Era algo novo para todos, para nós e para eles. As tratativas nunca foram interrompidas. Estou otimista que até meados do ano a gente consegue um acordo com os órgãos que faltam [Ministério da Transparência, Advocacia-Geral da União e TCU].

Os empresários foram punidos, mas os políticos não são na mesma velocidade. Tem espaço para mudanças efetivas se a punição é desigual? 

O Brasil está aprendendo a descolar economia e política. O tempo da política é um, o da economia, outro. O que temos de exigir dos candidatos é que façam reformas, ajuste fiscal e deixem a economia rodar. Isso já é um consenso.

Cronologia do caso Camargo Corrêa

Mandados de prisão
nov.2014 Polícia Federal cumpre mandados de prisão, busca e apreensão em construtoras, entre elas, a Camargo Corrêa, por suspeita de cartel. Executivos do grupo são presos: João Auler, ex-presidente do conselho de administração, Dalton Avancini, então presidente e seu vice Eduardo Leite

Delação premiada
fev.2015 Executivos fecham acordo de delação e, no mês seguinte, deixam a prisão. Auler, que não fechou acordo, foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão

Executivos condenados
jul.2015 
Justiça condena os três ex-executivos. São as primeiras condenações de dirigentes das empreiteiras da Lava Jato

Leniência
ago.2015
 Empresa fecha acordo de leniência e acerta devolução de R$ 700 milhões a Petrobras, Eletronuclear e Eletrobras

Venda da Alpargatas
nov.2015
 Grupo vende Alpargatas, fabricante da Havaianas, por R$ 2,7 bi, à J&F

Venda da CPFL
jul.2016
 Camargo fecha venda de participação da CPFL Energia à chinesa State Grid

Divisão
out.2017 Construtora se divide em duas: a primeira, CCCC, fica com as obras já em andamento e com os problemas ligados à Lava Jato; a segunda, a Camargo Corrêa Infra, tocará os novos projetos

Próximos passos
Grupo ainda negocia a segunda parte de seu acordo de leniência, com a CGU e com o TCU, que pedem pagamentos bastante maiores que aquele fechado com a procuradoria

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/04/somos-radioativos-nao-peca-propina-diz-presidente-da-camargo-correa-infra.shtml

Print Friendly, PDF & Email