Presidente da PETROS recebe o Discrepantes – S.O.S. PETROS

Em 8 de dezembro de 2016, o Presidente da PETROS recebeu uma representação do Discrepantes formada por Abdo Gavinho, Maria Alice Meirelles Vianna, Marilena Maçol Costa, Raul Correa Rechden e, Sérgio Salgado.

Apresentamos, na oportunidade, a carta abaixo transcrita:

Os  Discrepantes, se apresentam através de um site na internet, com uma base de aproximadamente 24.000 assinantes e, tem o propósito de congregar os empregados da PETROBRAS e os participantes da PETROS, ampliando e aprofundando o nível de informação sobre os assuntos de nosso interesse, através da disseminação de informações de qualidade.

O nosso objetivo estratégico é, pela informação, conscientizar os participantes da necessidade de uma maior união e pela atuação conjunta, à margem da política sindical e partidária, e assim defender de forma independente e autêntica nossos interesses e o nosso patrimônio.

Estamos interessados em exigir e acompanhar a apuração dos desvios de governança que têm ocorrido na PETROBRAS e na PETROS e, assim contribuir para resgatar o orgulho e a tradição de excelência dessa estratégica Companhia .

Sr. Presidente da PETROS,

Agradecemos a oportunidade deste encontro e gostaríamos de manifestar a nossa extrema preocupação com o atual momento da PETROS. 

 

Há mais de 6 anos, um pequeno grupo de participantes vem dedicando o seu tempo e inteligência para acompanhar, analisar e destrinchar as operações da PETROS. 

 

A nossa principal fonte de informações sobre a PETROS é o Relatório de Atividades.

 

É um trabalho hercúleo de aguerridos, que vem sendo levado à termo, mesmo com dificuldades de acesso à informação.

 

Não entendemos por que a PETROS apresenta uma defasagem de 3 meses para disponibilizar os Relatórios de Atividades aos investidores/participantes. 

 

Os grandes fundos já estão apresentando os resultados do mês de outubro, e nós, só agora,  tomamos conhecimento do mês de agosto.  

 

Solicitamos a sua especial atenção para adequar os prazos de disponibilização dos Relatório de Atividades em, no máximo, 30 dias, após o fechamento do mês. 

 

Encaminhamos à Ouvidoria diversas sugestões de melhorias no Relatório de Atividades.  Recebemos uma resposta formal de encaminhamento ao setor responsável e, nada aconteceu. 

 

Gostaríamos de lhe entregar,  pessoalmente, agora, nossas sugestões e que elas sejam tempestivamente consideradas. 

 

São solicitações do investidor/participante para acompanhar o “borderô” de seus investimentos. 

 

Nos últimos anos vimos questionando gestores e conselheiros por aprovarem investimentos que não resistem à mais comezinha análise de risco/rentabilidade. 

Alguns deles foram objeto de análise documentada, que apresentamos a instâncias de controle como PREVIC, MPF-DF, MP-RJ, MP-SP, TCU, CVM, POLÍCIA FEDERAL, OPERAÇÃO LAVA-JATO e CPI’s. 

Patrocinamos um abaixo-assinado que colheu mais de 3.000 adesões, pedindo a destituição dos então gestores da PETROS, em prol da indicação de profissionais independentes de comprovada competência.   

Sofremos críticas de todos os lados da representação dos participantes pela nossa opção.  

Nos sentimos recompensados com a sua indicação para a Presidência da PETROS, a de Maurício Gutemberg para Diretor de investimentos, a de Henrique Trinckquel para Diretor Administrativo-Financeiro e, a de Flávio Castro para Diretor de Seguridade, profissionais que atendem de forma maiúscula à nossa reivindicação . 

 Mas, precisamos avançar em transparência, rastreabilidade e acesso à informação de qualidade e que estejam disponíveis em tempos adequados. 

 

Merecemos como investidores/participantes receber um melhor nível de informações, e realizar periodicamente encontros presencias para o debate de ideias e esclarecimentos.

 

A separação de massas, a família real, o AOR, relatórios de auditoria, dívidas e acordos com a patrocinadora, são caixas-pretas que carecem de maior transparência. 

 

A transparência é parte da gestão e um dos pilares da governança e,  absolutamente necessária, nesta fase turbulenta que atravessamos. 

 

Portal de transparência de contratos e compras administrativas são importantes; mas, nos preocupa a falta de notícias a respeito do que

mais interessa : o desempenho dos investimentos. 

 

Trocamos informações com participantes de outros fundos sobre os investimentos com problemas e as estratégias de recuperação dos ativos e, sabemos de iniciativas que estão sendo implementadas para solucionar/minorar perdas em Invepar, Belo Monte, Sete Brasil e outras. 

Temos uma carteira de ações em participações altamente concentrada e sem liquidez, que não nos atende nem em valorização e nem em dividendos. 

 

Os FIP’s são um escândalo que por si só exigem forte atuação para recuperar prejuízos cobrando de gestores e empresas. 

 

Operações fraudulentas na precificação de ativos de empresas, que consistiria em um arranjo entre instituições financeiras e diretores da PETROS, para recuperação de investimentos, que forçosamente davam prejuízos e, quando marcados como “podres”, gestores operavam as fraudes, para ganhar taxas de sucesso maior. 

 

Há muitos esqueletos nos armários da PETROS. 

 

Itausa/Camargo Correa, Lupatech, Invepar/Guarulhos, Fip Florestal, Sete Brasil, Dasa, ….

 

Há caminhos judiciais contra gestores de investimentos e até contra as patrocinadoras. Há bloqueios de bens de gestores que aguardam reclamantes para se habilitarem para ressarcimentos. 

 

O que estamos fazendo? Já montamos a nossa sala de guerra? De crise ? De situação?

 

Certamente as soluções deverão ser diversas e exigem equipes multidisciplinares de alto desempenho. 

 

Não fazer nada sobre o passado temerário, não agir ativamente levando denúncias à Operação Greenfield ou agir judicialmente contra quem nos lesou, poderá ser interpretado como omissão, ou pior, cumplicidade com um passado vergonhoso.

 

É injusto jogar exclusivamente no colo dos investidores/participantes da PETROS, e da Patrocinadora PETROBRAS, a responsabilidade por dezenas de atos temerários nas operações com nossos investimentos, sem que estes tivessem qualquer participação ou responsabilidade.

Não é justo buscar solução única e exclusiva no equacionamento do déficit pelos investidores/participantes e a Patrocinadora PETROBRAS, já tão combalida e, vítima também de esquemas de corrupção. 

 

Deixar para os participantes o ônus de irem buscar sozinhos na justiça reparação aos danos causados à PETROS é omissão incompreensível. 

Assim, por bom senso e justiça, solicitamos que seja segregado, do montante do déficit a ser equacionado, os valores a serem recuperados na justiça e em eventuais acordos de leniência..

Em recente programa de entrevistas na televisão, com a jornalista Miriam Leitão, o Diretor Financeiro e de Relação com Investidores da PETROBRAS Ivan Monteiro, por três vezes declarou:

“Todos os valores que foram subtraídos da Companhia sejam retornados”

“Cobrar dessas pessoas a devolução desses recursos para a Companhia”

“Qualquer coisa que foi subtraída da Companhia deve ser devolvida”

Desejamos que esta firme determinação da Patrocinadora também seja adotada pelo Conselho e diretoria da PETROS. 

 

Acompanhamos com especial interesse o desempenho da VALIA e da FUNCESP. Cabe ressaltar que quando o mercado de renda variável dava os primeiros sinais de baixa performance, a VALIA se desfez da totalidade de suas ações da patrocinadora VALE, pois o seu compromisso maior era garantir bons resultados para cumprir sua missão com os participantes. 

 

Não se pode servir a outros interesses que não sejam os de performar para atingir a meta atuarial e a sanidade dos planos do fundo de pensão PETROS. 

 

Finalmente,

 

Deveríamos estar no convívio de nossa família, no ocaso de nossas vidas, desfrutando uma aposentadoria pela qual pagamos valores significativos por toda nossa vida laboral e que ainda pagamos. 

 

Mas, estamos aqui hoje, com extrema preocupação sobre o nosso futuro e, ainda, com o espírito construtivo. 

 

Contamos com a sua sensibilidade, competência e dedicação , atributos que com toda a certeza não lhe faltam. 

Obrigado,

Abdo Gavinho

Domingos de Saboya

Maria Alice Meirelles Vianna 

Marilena Maçol Costa

Raul Correa Rechden 

Sérgio Salgado

Print Friendly, PDF & Email