Petrolão Sindical – Saída de Gestores do RH com “gordo” PIDV

No próximo dia 23/05, deixará a Petrobras a última leva de gestores do RH Corporativo que, depois de 13 anos de governo PeTralha, aumentaram os passivos trabalhistas da empresa de cerca de R$ 450 milhões em 2006 para R$ 25 BILHÕES em 2015.

Como já informamos antes, esse aumento de mais de 5.000% foi resultado de acordos mal feitos e propositais com os Sindicatos da FUP/CUT (aumentando-se passivos trabalhistas, os sindicatos embolsam bilhões de reais na forma comissões e honorários) e também de má gestão e incompetência mesmo.
Esse grupo ao qual nos referimos sairá da empresa preso pelos crimes que cometeu contra um dos maiores patrimônios públicos do Brasil?
Claro que não. Cada uma dessas pessoas sairá aposentada e devidamente indenizada com mais de R$ 700 mil no bolso, indenização oriunda de um Programa de Demissão Voluntária criado por elas mesmas, isso depois de entupirem os quadros da Estatal com admissões desnecessárias e terceirizações ilegais, um resumo da política de gestão de efetivos mais bizarra da história das corporações empresariais. E, por falar nisso, pasmem vocês, o próprio Gerente de Efetivos da Petrobras estará entre os premiados do dia 23/05, completando uma sequência de premiações (todos saíram devidamente aposentados, indenizados, com plano de saúde e previdência privada) da pobre estatal brasileira às pessoas que a levaram para o buraco em que se encontra, entre elas: Diego Hernandes, Armando Tripodi, Wilson Santarosa, Jorge Cândido, Eurico Rodrigues e, agora, o sr. Gerente de Efetivos Lairton Souza.
O lado bom é que a empresa se livra definitivamente dessas pragas. O lado vergonhoso é que, mesmo com uma investigação interna em andamento (pelo menos no governo Dilma era apenas para “inglês ver”, não sabemos como será agora. Essas investigações sempre se encerram depois que esses criminosos já estão em casa, devidamente aposentados), a empresa ainda desembolsará milhões de reais para premiá-los.
Nossa proposta, já encaminhada à empresa e sem resposta até o momento, é que essas indenizações de PIDV fiquem suspensas para todos os gerentes do RH Corporativo da empresa até que as investigações sejam concluídas e devidamente informadas à sociedade. Sabemos que verbas rescisórias de aposentadoria não podem ser bloqueadas, mas indenizações podem e DEVERIAM ser. Se a Petrobras chegar à conclusão que essas pessoas não foram responsáveis por esses prejuízos todos, ela paga futuramente a indenização do PIDV, com juros e correção monetária. Mas se concluir que eles são de fato responsáveis por esse rombo todo, seja por dolo ou incompetência, a empresa toma as medidas judiciais e policiais cabíveis. A verdade é que INDENIZAR PESSOAS QUE CAUSARAM PREJUÍZO BILIONÁRIO A UMA EMPRESA PÚBLICA, COM UMA INVESTIGAÇÃO INTERNA EM ANDAMENTO, É SIMPLESMENTE UMA VERGONHA, UM ATENTADO À ÉTICA, AO DINHEIRO PÚBLICO E À INTELIGÊNCIA DOS BRASILEIROS.
Deixamos aqui, inclusive, um pedido para que esse prestigiado site DISCREPANTES faça chegar a algum promotor público essa nossa proposta, para que, com uma liminar que seja, suspenda-se o pagamento de qualquer indenização a essas pessoas, até que a Petrobras informe à sociedade os resultados de sua investigação interna, ratificando ou retificando os nomes dos responsáveis pela maior dívida trabalhista de uma empresa em todo o planeta Terra.
PAEP – Pequenos Acionistas e Empregados Preocupados
Print Friendly, PDF & Email